A Palavra que o ajuda a conhecer: Shenpa | Pema Chödron

201508-Chodron_Pema-949x534

A palavra shenpa, na tradução grosseira do tibetano para o inglês (e dessa língua para o português), quer dizer apego (attachment). Mas não um apego no sentido mais geral que tanto o Budismo fala, e sim os mecanismos que dão ao apego aos seus primeiros “momentos de vida”, digamos assim. A monja Pema Chödron, do centro Shambala (criado por Chögyam Trungpa Rinpoche), explicou num artigo essa “nova” palavra como ouviu do mestre Dzigar Kongtrul Rinpoche, uma palavra que na verdade é tão ou mais antiga que o próprio ensinamento do Buda, tão rica como instrumento para o auto-conhecimento quanto muitos dos ensinamentos mais psicológicos do Oriente. E que, de certa forma, traz um conceito diferente (e, para nós, novo) que contribui para a auto-observação e a consciência de si mesmo.

A Consciência de si mesmo e dos próprios processos mentais que é, talvez, o desafio central de boa parte das práticas “espirituais”. Shenpa, neste contexto, é uma nova perspectiva, uma palavra que define — e, assim, nos ajuda a entender — o momento-chave de perda do livre viver.

Podemos tentar entender shenpa, diz Pema, por uma série de palavras, para encontrar o significado mais amplo do termo: pode ser “aquilo que te engancha” (hook), ou então “aquele sentimento pegajoso” (no sentido de insistente, sticky feeling), ou ainda “uma comichão e a vontade repentina de coçar” (urge to itch, no sentido psicológico, de sentir uma mesma coisa a partir de pensamentos ou sensações parecidas, e a necessidade de reagir a ela). Essa repetição, e a familiaridade que sentimos com a nossa reacção, é uma das coisas que definiria shenpa. “Ela tem sempre um gosto familiar, um cheiro familiar. Quando começa a perceber a sua presença, sente que ela tem estado ali desde sempre”, diz Pema. Imagino que seja “aquela sensação de raiva” que sentimos do mesmo tipo de atitude, situação ou pessoa, ou “aquela pena” ou a “sensação de inferioridade” que é sempre disparada em alguns momentos, ou ainda aquele constrangimento conhecido de estar nessa ou naquela situação, ou, do contrário, uma “reflexo de mandar ou ordenar” essa ou aquela pessoa. Há vários momentos em que shenpa acontece, grandes e pequenos e microscópicos.

“Aqui vai um exemplo rotineiro de shenpa. Alguém diz uma palavra má para si e então algo em si torna-se tenso – isso é a shenpa. Então inicia-se uma espiral em direcção à baixa auto-estima, ou  culpa esse alguém, ou fica com raiva, ou começa a denegrir-se a si mesmo. E talvez, se tiver algum vício forte, vai directo para ele para encobrir o sentimento ruim que surge quando aquela pessoa disse a palavra ruim para si. Esta é uma palavra má que te captura, que te algema. Outras palavras más podem não afectar-lo, mas estamos falando aqui onde uma que toca a sua ferida – isso é uma shenpa. Alguém lhe critica – criticam o seu trabalho, a sua aparência, ou o seu filho – e, lá vem, shenpa: aparece quase ao mesmo tempo.”
~ Pema Chödron

Muito difícil de ver em si mesmo (embora relativamente fácil de ver nos outros). “Estamos de mente aberta, de coração aberto, e de repente… erkkk”, diz Pema. O principal a fazer é apenas tomar conhecimento, ter a consciência de estarmos sendo envolvidos por shenpa. Depois, com o tempo, pode “desenvolver a habilidade de não seguir a reacção em cadeia”. Mas primeiro, segundo as instruções de Pema Chödron, é reconhecer a aparição, mais e mais e mais. Então ela menciona a possibilidade de usarmos os 4 Rs – reconhecer, refrear, relaxar e resolver – para seguir com a prática sobre a shenpa, mas isso já parece um pouco complexo para nós aqui. Todo esse processo começa a lhe amolecer, e “este prana, ou natureza búdica, bondade básica — começa a ser activada mais e mais. Aquele seu Ser, a partir da sua própria sabedoria, começa a ir em direcção ao espaço e à abertura e ao desprendimento“.

“Esse é o motivo que eu acho que esse shenpa é realmente um ensinamento muito útil. É o reflexo… é a vontade, também. Essa vontade. Realmente mostra a si, como tem um monte de vícios, que todos temos vícios. Há essa estática de fundo de um leve desconforto, ou talvez cansaço, ou ansiedade, ou desânimo. E então nós começamos a usar coisas para nos livrarmos desse desconforto. Coisas como comida, álcool, drogas, sexo, trabalho, compras ou qualquer coisa que façamos para fugir.”
~ Pema Chödron

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s