Leis do Karma segundo o Budismo

80148e0cd984.jpg

O budismo é uma filosofia e uma religião composta de ensinos práticos, como a meditação por exemplo, que pretende induzir uma transformação no interior de quem a pratica. Promove o desenvolvimento da sabedoria, a consciência e a bondade para alcançar um estado de iluminação.

No budismo a existência é abordada como um estado permanente de mudança. A condição para nos beneficiarmos dessas mudanças é desenvolver uma disciplina sobre nossa mente. Esta deve focar a sua atenção nos estados positivos, como a concentração e a calma.

“O karma é experiência, a experiência cria memória, a memória cria imaginação e desejo, e o desejo cria de novo o karma”.
-Deepak Chopra-

O objectivo da disciplina é conseguir desenvolver as emoções associadas à compreensão, à felicidade e ao amor. Além disso, para o budismo todo o desenvolvimento espiritual se materializa e se complementa com áreas como o trabalho social, a ética e o estudo da filosofia.

A natureza do karma no budismo

A palavra karma significa acção e consiste num tipo de força que transcende o mundo material. Esse tipo de energia é infinita e invisível e é consequência directa das acções de cada ser humano. O karma é regido por doze leis, e cada uma delas permite compreender o sentido espiritual da existência.

No budismo não existe um deus controlador; estas leis provêm não de um deus, mas da natureza, assim como a lei da gravidade, por exemplo. E as pessoas têm o livre-arbítrio para seguir as mesmas ou não. Por isso, fazer o bem ou o mal depende de cada um, e dessa decisão há consequências pelas quais somos, em grande parte, responsáveis.

As doze leis do karma

Essas são as doze leis do karma segundo o budismo: 1. A grande lei:

Essa lei pode ser resumida na frase “colhemos o que plantamos”. Também é conhecida como a lei de causa e efeito: o que damos ao universo é o que o universo devolve a nós, mas se é algo negativo, será devolvido a nós multiplicado por dez. Ou seja, se damos amor recebemos amor, mas se damos raiva recebemos raiva multiplicada por dez.

2. Lei da criação:

Devemos participar da vida. Fazemos parte do universo, portanto formamos uma unidade com ele. O que encontramos ao nosso redor são indícios do nosso passado remoto. Crie as opções que deseja para a sua vida.

3. Lei da humildade:

O que nos negamos a aceitar continuará ocorrendo connosco. Se só somos capazes de ver os aspectos negativos nos outros, ficaremos parados num nível de existência inferior. Se, pelo contrário, aceitamos com humildade o que ocorre conosco, nos elevaremos a um nível superior.

4. Lei do crescimento:

Onde formos, é onde estaremos. Diante das coisas, dos lugares e das pessoas, somos nós que devemos mudar para evoluir na nossa espiritualidade, e não o que está a nossa volta. Quando mudamos o nosso interior, a nossa vida muda.

5. Lei da responsabilidade:

Quando algo negativo acontece connosco é porque há algo negativo em nós. É o nosso reflexo. Por isso, devemos enfrentar com responsabilidade as situações da nossa vida.

6. Lei da ligação:

Tudo o que fazemos, por mais insignificante que pareça, está em ligação com o universo. O primeiro passo leva ao último e todos são igualmente importantes, porque em conjunto são necessários para alcançar os nossos objectivos. Presente, futuro e passado estão interligados.

7. Lei do foco:

Não é possível pensar em duas coisas simultaneamente. Subimos degrau por degrau, um de cada vez. Não podemos perder de vista as nossas metas, porque a insegurança e a raiva apoderam-se de nós nesses momentos.

8. Lei do dar e da hospitalidade:

Se pensa em algo que pode ser verdade, chegará o momento em que poderá demonstrar que é. Devemos aprender a dar para colocar em prática tudo que foi aprendido.

9. Lei do aqui e do agora:

Permanecer presos ao passado nos impossibilita de aproveitar o presente. Os pensamentos repetitivos, os maus hábitos e os sonhos frustrados impedem-nos de avançar e renovar o nosso espírito.
10. Lei da mudança:

A história se repetirá até que assimilemos as lições que devemos aprender. Se uma situação negativa se apresenta diversas vezes, é porque há algum conhecimento que devemos adquirir a partir dela. Temos que traçar e seguir o nosso caminho.

11. Lei da paciência e da recompensa:

As recompensas são resultado do esforço prévio. A maior dedicação, o maior esforço, levam portanto a gratificações maiores. É um trabalho de paciência e perseverança que dá os seus frutos. Devemos aprender a amar o nosso lugar no mundo; o nosso esforço será honrado no momento justo.

12. Lei da importância e da inspiração:

O valor dos nossos triunfos e erros depende da intenção e da energia que dispensamps para alcançar o fim. Contribuímos individualmente para uma totalidade, e portanto as nossas acções não podem ser medíocres: temos que colocar todo o nosso coração em cada coisa que fazemos.

 

Fonte: R7

 

Anúncios

4 thoughts on “Leis do Karma segundo o Budismo

  1. Estou procurando um livro intitulado Gestos Delicados, do Lama Tartang Tulku. Alguém pode me indicar onde posso encontrá-lo? Obrigada, Leonilde.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s