Conto Budista: O Buda e o riacho.

 

jan-lakey-buda-dourado-a-margem-do-lago
Diz a lenda que um dia, já em idade bastante avançada, Buda passava por uma floresta. Era um dia quente de verão e ele estava com muita sede. Então ele disse a Ananda, o seu discípulo-mor: ” Precisas de voltar, passamos por um pequeno riacho uns cinco ou seis quilómetros atrás. Vá, e leve a minha vasilha de esmolas e traga-me um pouco de água. Estou com sede e cansado.”
Ananda retornou, mas, ao chegar ao local, percebeu que algumas carroças de bois haviam atravessado o riacho, revolvendo o leito de folhas secas e deixando a água enlameada. Já não era mais possível beber daquela água, ela estava muito suja. Ele voltou com as mãos vazias dizendo: “Precisa de esperar um pouco. Eu vou seguir adiante, pois ouvi falar de um grande rio a apenas três ou quatro quilómetros daqui e trarei água de lá.”
Mas Buda insiste dizendo: ” Volte e traga água do mesmo riacho.”
Ananda não consequia entender tanta insistência, mas, se o mestre estava ordenando, o discípulo obedecia. Assim, ele regressou ao riacho, mesmo sabendo do absurdo que seria caminhar cinco ou seis quilómetros, sabendo que a água não era boa para ser bebida.
Ao regressar, Buda disse: “E não volte se a água ainda estiver suja. Se estiver suja, simplesmente senta-te à margem do riacho e permanece em silêncio e observa. Cedo ou tarde a água estará limpida novamente, tu poderás encher a vasilha e voltar.”
Ananda regressou ao local: Buda estava certo: a água estava quase límpida, as folhas tinham sido levadas, a sujidade tinha assentado. Mas ainda não estava absulutamente límpida. Assim, ele se sentou-se à margem e apenas observou o rio fluir. Lentamente, ela tornou-se transparente como um cristal e Ananda regressou dançando. Ele tinha entendido porque Buda fora tão insistente, pois na sua insistência,  Buda havia deixado uma mensagem que ele compreendera. Ananda entregou a água a Buda e agradeceu tocando nos seus pés.
Buda então disse: ” O que está fazendo? Sou eu quem deveria agradecer por me ter trazido água.”
Ananda respondeu: ” Agora eu entendo. No início eu estava com raiva. Eu não demostrei, mas estava com raiva porque achava que era absurdo voltar. Agora, entendi a mensagem. Sentado na margem do riacho, dei conta que a mesma coisa acontece com a minha mente. Se eu mergulhar no rio, eu sujarei novamente. Se eu mergulhar na mente, apenas irei criar mais barulho, mais problemas serão desenterrados e irão começar a aparecer. Aprendi a técnica simplesmente ao sentar à margem.”
Fique sentado à margem da sua mente, observando a sua sujidade, os seus problemas, as suas folhas podres, mágoas, feridas, memórias , desejos. Sente-se despreocupadamente à margem de tudo e aguarde o momento em que tudo estará límpido novamente.
Isto acontecerá por si só porque, no momento em que se sentar à margem da sua mente, não estará mais transmitindo energia para ela. Essa é a verdadeira meditação. A meditação é a arte da transcendência.
Advertisements

One thought on “Conto Budista: O Buda e o riacho.

  1. Gratidão!

    ________________________________ De: Portal do Budismo Enviado: terça-feira, 25 de outubro de 2016 13:31:00 Para: aurimareapereira@live.com Assunto: [Novo artigo] Conto Budista: O Buda e o riacho.

    Portal do Budismo publicado: ” Diz a lenda que um dia, já em idade bastante avançada, Buda passava por uma floresta. Era um dia quente de verão e ele estava com muita sede. Então ele disse a Ananda, o seu discípulo-mor: ” Precisas de voltar, passamos por um pequeno riacho uns “

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s