Gueshe Tenzing: “No Budismo o medo não existe”

gueshe-tenzing-1

Gueshe Tenzing: “No Budismo o medo não existe, é uma visão errada da realidade”.

O diretor espiritual do único mosteiro budista da Galiza, na nossa vizinha Espanha, que fica localizado em Ventoselo de Beariz (Ourense), deu uma palestra sob o tema “Como superar o medo”.

“Imagine que nós caminhamos, e há pouca luz e vemos alguma coisa enrolada na relva que nos faz medo, porque acreditamos que é uma cobra, quando eles são realmente apenas dois cordões torcidos brancos e negros. Senão dermos valor a essa realidade que é algo errado, então não devemos temer. Por isso a partir da filosofia budista, o medo é apenas uma percepção falsa da realidade que provoca a mente “.

Esta foi uma das chaves, aparentemente simples, com que o Mestre tibetano Ven Geshe Tenzing Tamding, Director espiritual do mosteiro Chu Sup Tsang Ventoselo de Beariz (Ourense), o único mosteiro budista na Galiza, deu na biblioteca municipal da cidade, lotado por um público muito heterogeneo para ouvir a sua palestra intitulada “Como superar o medo”.

A sua mensagem continha na realidade, algumas dessas chaves da filosofia budista, cada vez mais seguida no mundo, para alcançar a felicidade, uma felicidade que não é parte de nenhum dogma de fé, mas sim de um Compromisso.

Nascido no Tibete em 1965, foi com apenas 12 anos, exilado para a Índia e foi ordenado monge por Tenzing Gyatso, ou seja, por Sua Santidade o XIV Dalai Lama, do qual foi tradutor durante muitos anos. Geshe Tenzing chegou a liderar o mosteiro budista Chu Sup Tsang. Na noite da palestra, criou emoção com a sua presença em Ourense, porque apenas visita o mosteiro duas ou três vezes por ano para participar em cursos de formação que são dadas apenas nesta secção na Europa. E irá seguir, dando conferências na Galiza, e de seguida, pelas Américas numa viagem imparável.

Num discurso para iniciantes, ele aprofundou a diferença entre o “eu” auto-existente, do qual surgem essas falhas que geram medo, quando na realidade é o “eu” interdependente, que a partir de uma filosofia budista mais profunda nesse sentido e que nos faz interelaccionar com os outros “todos”.

“Essas mentes erradas estão causando sofrimento nos seres humanos, através do engano, orgulho ou rancor por exemplo.” Para que isso acabe, estas “mentes negativas que produzem um medo infundado, deve-se concentrar na felicidade, devemos fortalecer a mente positiva e amor, paciência, compaixão”, afirmou. Acabamos sofrendo, diz Geshe Tenzing, “os mesmos sentimentos negativos que provocam nos outros, e causando apenas dor pelo sofrimento no longo prazo”.

Ele entende que, no meio de uma sociedade no caos, é normal “que cada vez há mais pessoas no ocidente mais próximas, desta filosofia de vida, que é o budismo reconheceu Geshe Tenzing, que é considerado uma autoridade para os seus milhões de seguidores.

Assim, “a mente negativa não é a verdadeira natureza da mente, mas uma mancha que podem ser removida gradualmente,  se trabalharmos para tal e assim os resultados virão com o tempo”, afirmou.

Ele indicou que esta reciprocidade de dar para receber, desenvolver uma atitude e pensamentos mais positivoa com a família e pessoas mais próximas, não só melhora a sua saúde, mas o trabalho, a economia, tudo será melhor”, afirmou.

A Fundação Chu Sup Tsang é dedicada a preservar a cultura tibetana e arte budista e filosofia neste parte de Espanha. O seu objectivo é instaurar na Espanha uma réplica das principais universidades que estavam no Tibete.

Fonte: Faro de Vigo Foto: Jesus Regal

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s