Sucesso: Dez atitudes para lá chegar.

sucesso.jpg

Seja o que for que deseja melhorar na sua vida, ter uma acção correcta é o caminho. Nos estudos, no trabalho ou na sua vida pessoal, fazer os seus planos e aprender com os erros são factores fundamentais para conseguir o que deseja. Sabe qual a forma de conseguir isso? Conheça 10 atitudes que te ajudam a alcançar o sucesso.

Lembre-se sempre das suas vitórias

Lembrar-se de tudo o que já conquistou até hoje na sua vida é importante. Isso não vai deixar-te desanimado e impedede desistir. Lembre que mesmo com as adversidades da vida é possível atingir os seus objetivos. E isso não será diferente das suas próximas metas. Se esforce.

Tenha planos e objetivos

Alcançar o que quer só é possível se isso estiver claro na sua mente. Então é muito importante que faça planos claros sobre como atingir as suas metas. Isso facilitará, inclusive, o acompanhamento dos seus resultados.

Faça coisas que lhe agradem.

É lógico que fazer o que gosta te dará motivação. O seu desempenho vai depender daquilo que escolherá seguir. Isso facilitará também para analisar os seus desempenhos e impedir que erre e prejudique o seu desempenho pessoal.

É bom aprender com os erros

Não podemos esquecer que erros são parte do processo. E isso não pode ser motivo para nos frustrar ou desanimar. Nesses casos é muito importante ver o que é possível aprender com os erros e melhorar o nosso desempenho.

Seja produtivo

O sucesso, em qualquer área, depende do nosso desempenho e das nossas atitudes. Por isso temos de esforçar na nossa produção e desempenho.

Acompanhe o seu desempenho

Muito importante acompanhar e registrar cada passo nesta sua trajectória. Acompanhar esse progresso é importante para saber o que tem funcionado e o que pode ser adaptado. Ao longo do tempo é possível fazer uma boa regulação de tudo.

Não deixe de comunicar

Saber manifestar o que pensa e comunicar com as pessoas de forma eficiente é essencial para as pessoas que desejam alcançar o sucesso. Então não deixe de treinar a sua capacidade de articular as suas ideias.

Acredite em si e na sua capacidade

Sem coragem e confiança não chegará muito longe. Então é importante acreditar na sua capacidade. Isso dará mais força, energia, confiança e coragem para atravessar as adversidades.

Se precisar de mudar, não tenha medo disso

As mudanças fazem parte da vida. Então deverá saber lidar com elas. Precisará de lidar com diferentes pessoas, diferentes cargos e chefias. Numa carreira de sucesso, passará por diferentes posições e não deve temer isso.

Peça ajuda quando precisar

Quando encontrar dificuldades, coisas que não possa resolver sozinho, não tenha medo de pedir ajuda. Pedir ajuda, quando necessário, não é motivo de vergonha. Isso poderá fazer com que resolva os seus problemas mais rapidamente.

Independente da área da sua vida que queira melhorar, saber como agir correctamente é a chave para conseguir o sucesso em todas elas.

 

Budismo, Saúde e Vida

Anúncios

A morte é como uma nuvem no céu | Thich Nhat Hanh

thay_aiab_18052013_langmai.jpg

“É como uma nuvem no céu. Quando a nuvem não está mais no céu, isso não significa que a nuvem morreu. A nuvem continua em outras formas, como a chuva, neve ou gelo. Assim, pode reconhecer a sua nuvem nas suas novas formas.
Se gosta muito de uma bela nuvem e sua nuvem não está mais lá, não deve ficar triste. A sua nuvem amada pode ter sido transformada em chuva convidando-a: “Querida, querida. Não me vê na minha nova forma?” E então não vai ficar impressionado com o sofrimento e desespero. O seu amado continuará sempre.  Meditação ajuda a reconhecer a sua presença contínua em novas formas. E a nossa natureza é a natureza do nenhum nascimento e nenhuma morte… a natureza de uma nuvem também. A nuvem nunca pode morrer. Uma nuvem pode se tornar neve ou granizo … ou chuva. Mas é impossível que uma nuvem passe de ser para não-ser. E isso é verdade com o seu amado. Ela não morreu. Ela é prolongada em muitas novas formas. E pode olhar profundamente e reconhecer-se em si e em seu redor.”

Aversão e Agressão | Chagdud Tulku Rinpoche

transferir (1).jpeg

Não nos damos conta que, se temos tendência à aversão e à agressão, os inimigos começam a aparecer por todos os lados. Encontramos cada vez menos coisas para gostar nos outros e cada vez mais coisas para odiar. As pessoas começam a evitar-nos e ficamos mais isolados e solitários. Às vezes, furiosos, cuspimos palavras ásperas e ofensivas.

[…] Quando deixa a aversão e a raiva tomarem conta de si, é como se, tendo decidido matar uma pessoa jogando-a num rio, se agarrasse ao pescoço dela, pulasse na água e os dois morressem afogados. Ao destruir o seu inimigo, também se destrói a si mesmo.

É muito melhor dissipar a raiva antes que ela possa conduzir a um conflito maior, respondendo a ela com paciência. Compreender a responsabilidade que temos por aquilo que nos acontece, ajuda a fazer isso. Tratamos a nossa ligação com alguém que percebemos como um inimigo como saí do nada.

[…] Em vez de procurarmos os defeitos dos outros, dirigindo a nossa raiva e aversão contra situações que pensamos estar nos ameaçando, deveríamos lidar com o verdadeiro inimigo.

Esse inimigo, que destrói a nossa felicidade a curto prazo e nos impede, numa perspectiva mais longa, de alcançar a iluminação, é a nossa própria raiva e aversão. Se as vencermos, não haverá mais brigas, pois deixaremos de perceber como inimigos os nossos oponentes — um grande retorno por pouco esforço. Tanto nós quanto eles teremos cada vez menos probabilidades de reincidir em situações que possam levar a um conflito. Todos saem ganhando.

Chagdud Tulku Rinpoche (Tibete, 1930 – Brasil, 2002)
Portões da Prática Budista, I | 3

Chegou ao nirvana? Monge budista está ‘sorrindo’ mesmo dois meses após sua morte.

8avow89f5s5vkrelie3di7wjd.jpg

Imagens mostram a exumação de um monge budista e a revelação aos seus seguidores fiéis de que ele continua ‘sorrindo’ dois meses depois de sua morte.  Luang Phor Pian morreu no dia 16 de novembro do ano passado, aos 92 anos de idade, num hospital de Bangkok.

Natural do Cambodja, no Sudeste Asiático, o religioso dedicou a sua vida à meditação e à caridade espiritual, sendo um guru muito respeitado na província tailandesa de Lopburi, a mesma região para a qual o corpo foi transportado após a sua morte. O cadáver do monge foi recentemente retirado do caixão para ser transferido para o templo onde costumava ficar.

O ‘sorrisinho’ impressionante

Ao desenterrarem o cadáver de Pian, houve surpresa pelo facto de que mesmo morto há meses, ainda não demonstrava sinais bruscos de decomposição. Segundo informações do jornal Metro , a boa conservação seria o real motivo para que o semblante feliz e até mesmo risonho tenha permanecido.

O ‘sorrisinho’ esboçado pelo religioso está sendo partilhado nas redes sociais, deixando muitos utilizadores intrigados com o líder espiritual. De acordo com relatórios desenvolvidos na província, o corpo do homem está num estado semelhante ao de alguém que havia morrido há somente 36 horas.

Muitos acreditam que a boa conservação do cadáver de Luang Phor Pian é um sinal de que ele alcançou o “nirvana”, que segundo o Budismo, e em especial para os monges Shramana, representa a libertação do sofrimento e a superação do apego material e até mesmo da própria existência.

Vale mencionar que a remoção do corpo, de acordo com os responsáveis pela abertura do caixão, serve também para que os seus seguidores escolham novas vestimentas para o monge. Tal acto, que funciona como uma espécie de ritual fúnebre , repete-se por um longo período de tempo.  Os seus admiradores devem permanecer rezando por ele e cultivando a sua boa preservação até que a sua morte complete 100 anos.

Fonte: Último Segundo – iG

Incêndios: Vítimas vão receber ajuda da Fundação Budista Tzu Chi de Taiwan

os-membros-da-fundação-de-tzu-chi-do-budista-recolhem-para-comemorar-um-acontecimento-anual-em-chiang-kai-shek-92440167.jpg

As vítimas dos incêndios que ocorreram em Portugal em 2017, nomeadamente os agricultores idosos, vão receber ajuda da Fundação Budista Tzu Chi de Taiwan, anunciou em comunicado, o fundador da instituição.

“Após uma avaliação, os voluntários de Tzu Chi sentiram a dor e observaram as necessidades urgentes dos afetados” pelos incêndios em Portugal, referiu Shih Cheng Yen, que acrescentou que a ajuda deverá chegar no início de fevereiro.

“Expresso a minha gratidão ao deputado Paulo Rios de Oliveira (PSD) por sua simpatia e compaixão pelos seus compatriotas”, sublinhou.

Shih Cheng Yen referiu que, através do Centro Económico e Cultural de Taipei em Portugal, Oliveira “pediu ajuda a Tzu Chi após essas catástrofes”.

O Centro Económico e Cultural de Taipei confirmou à agência Lusa, sem adiantar pormenores, que a fundação de Taiwan pretende contribuir e que as várias questões relacionadas com a ajuda estão a ser coordenadas também com as autoridades portuguesas.

“Depois de realizar uma investigação aprofundada das áreas atingidas pelo desastre, a Tzu Chi descobriu que os mais afetados são agricultores de 70 anos ou mais. Devido aos incêndios, perderam as ferramentas e máquinas agrícolas que utilizavam para ganhar a vida. Então, perderam a esperança no futuro”, indicou o comunicado.

Para o fundador da instituição de Taiwan, “é verdadeiramente doloroso ver tragédias e as suas vítimas crescerem devido aos desastres naturais”.

“Mais de 100 pessoas perderam a vida nos incêndios (em Portugal) e centenas ficaram gravemente feridas. As casas, as quintas, os celeiros e os silos de moradores das aldeias foram engolidos pelas chamas e fizeram desaparecer o esforço acumulado durante uma vida. Sinto-me profundamente triste e com muita pena”, declarou, na nota, Shih Cheng Yen.

O responsável pela Fundação disse esperar “sinceramente que o amor e a bênção dos voluntários de Tzu Chi em todo o mundo ajude as pessoas a reconstruir suas casas rapidamente, a reviver a economia agrícola e recuperar as suas vidas o mais rápido possível”.

“Embora os desastres tenham passado, todos deveriam aprender a lição. A mãe natureza está realmente fora de equilíbrio. Esses desastres servem para despertar nossa consciência. Devemos cultivar-nos com sinceridade e mudar a nossa mentalidade e os nossos comportamentos. Então assim, poderemos reunir mais pontos fortes para superar as dificuldades quando ocorrem desastres. Vamos rezar juntos por Portugal e pela paz mundial”, referiu ainda.

Em 2017, os incêndios florestais provocaram mais de 110 mortos, 66 dos quais em junho em Pedrógão Grande e 45 em outubro na região Centro, cerca de 350 feridos e milhões de euros de prejuízos.

In DN

Sabedoria Oriental: 6 Factos para manter segredo.

sabio2-696x365.jpg

Os povos antigos eram dotados de uma sabedoria incomparável. Muitas das suas descobertas e ensinamentos sobreviveram até os dias de hoje – e isso não é por acaso, os sábios orientais, por exemplo, deixaram muitos ensinamentos que se mantêm actualizados até os dias de hoje. E vamos partilhar alguns desses ensinamentos do mundo oriental:

1. Nunca revele o que está planeando para o seu futuro.

Comentar o que pretende fazer no futuro pode resultar numa grande frustração: desistência. As pessoas podem ser bastante negativas e leva-lo a desacreditar no seu sonho.Mantenha segredo em si mesmo. Quando tudo já estiver bem encaminhado, comemore com quem ama.

2. Não partilhe com os outros sobre as limitações do seu corpo

Sabe quando tem dores, cansaço ou enfrenta dificuldades para realizar algumas actividades? Se possível, não partilhe isso com todo mundo. O corpo é algo muito pessoal e deve aprender a ser forte e conviver com ele sem lamentações.

3. Não se vanglorie de seus actos mais caridosos

Se ajuda alguém, deve fazer por amor e não para vangloriar-se.
O ego pode estimular essa atitude horrível, mas fuja ao máximo da arrogância. Além de se colocar numa situação bem complicada, também pode deixar outras pessoas constrangidas e humilhadas.

4. Evite gabar-se da sua coragem e do seu valor

Quando alguém é digno de admiração, as pessoas reconhecem facilmente, não é preciso gabar-se. O máximo que vai conseguir ao autopromover-se são críticas e uma imagem nada positiva.

5. Não desperdice o seu tempo falando mal dos outros

Quando falamos mal dos outros, estamos revelando muito mais sobre nós do que sobre quem reclamamos.
Além disso, o ambiente fica pesado e a mente cheia de pensamentos do mal.

6. Não diga todos os problemas que sofre na sua vida pessoal

Há quem sai divulgando, até nas redes sociais, os problemas que vem enfrentando. Lembre-se de que é muito importante saber preservar-se. Quando falamos demais, corremos o risco de revelar segredos ou de ficarmos muito vulneráveis diante de quem nos ouve.

Pema Chödrön | Dê Três Respirações Conscientes

photo-1437623889155-075d40e2e59f-2

Pema Chödrön ensina-nos uma prática de “pausa”, uma técnica simples que podemos usar sempre que precisamos de um intervalo dos nossos padrões habituais.

Os nossos hábitos são fortes, então é necessária uma certa disciplina para sair do nosso casulo e receber a magia do que nos rodeia. Pausar a prática – tomar três respirações conscientes em qualquer momento quando percebemos que estamos presos – é uma prática simples, mas poderosa que cada um de nós pode fazer em qualquer momento.

A prática da pausa pode transformar cada dia da sua vida. Ele cria uma porta aberta para o sagrado do lugar em que você se encontra. A imensidão, a quietude e a magia do lugar irão cair sobre si, se deixar a sua mente relaxar e soltar por apenas algumas respirações, a linha da história que você está trabalhando tão difícil para manter. Se parar apenas o tempo suficiente, poderá reconectar com o momento onde está, com o imediato da sua experiência.

Quando estas a tomar banho ou fazendo o seu café ou chá, ou escovando os dentes, apenas crie uma lacuna na sua mente discursiva. Quando está acordando pela manhã e ainda não está afastado da cama, mesmo que esteja atrasado, você poderia simplesmente olhar para fora e soltar a linha da história e tomar três respirações conscientes. Apenas esteja onde você está! Quando está tomando banho ou fazendo o seu café ou chá, ou escovando os dentes, apenas crie uma lacuna na sua mente discursiva. Faça três respirações conscientes. Apenas pause. Deixe-o ser um contraste ao ser todos. Deixe que seja como estourar uma bolha. Deixe que seja apenas um momento no tempo e continue. Talvez você esteja a caminho do que você precisa fazer para o dia. Está no seu carro, ou na paragem de autocarro, ou está na fila. Mas ainda pode criar essa lacuna tomando três respirações conscientes e estar ali mesmo com o imediato da sua experiência, exatamente o que você está vendo, com o que você estiver fazendo, com o que você estiver sentindo.

Foto: Eutah Mizushima

Pema Chödrön no Lion’s Roar